Boca travada? Entenda melhor a disfunção da ATM

Boca travada? Entenda melhor a disfunção da ATM

Boca travada? Entenda melhor a disfunção da ATM

ATM

Localizada atrás da bochecha e perto do ouvido, a articulação temporo-mandibular (ATM) liga a mandíbula ao crânio é umas das que mais trabalha no corpo, pois é responsável pela fala e por engolir e mastigar. E é exatamente por causa desse excesso de trabalho (afinal, comemos e falamos diversas vezes por dia) que algumas vezes ela falha, causando os Distúrbios da ATM (DTM).

Costuma atingir pessoas entre 20 e 50 anos

O DTM, que costuma atingir pessoas entre 20 e 50 anos, se caracteriza por uma dor na região que começa fraca, mas que, ao longo do tempo, sem tratamento, vai piorando. Além disso, ela costuma vir acompanhada de dores de cabeça, zumbido no ouvido, pressão atrás dos olhos e até, nos casos mais graves, estalos com travas.

“Como qualquer outra articulação, a ATM tem um disco articular que, às vezes, entra em descompasso e acaba se deslocando, causando dores em um primeiro momento e travamento em casos mais sérios”, diz Alessandro Silva, cirurgião buco maxilo facial e diretor da Interclin.

A maioria dos casos de DTM acaba regredindo sozinha

A maioria dos casos de DTM acaba regredindo sozinha (cerca de 10% precisam ser operados) com tratamentos conservadores, como compressas quentes, anti-inflamatórios, repouso e massagens. “A cirurgia é reservada apenas para os casos que falharam ao tratamento conservador. Eu diria que apenas 10 a 25% dos casos falham”, diz Alessandro.

Causa e tratamento

Embora a DTM não tenha uma causa única e específica, existem algumas situações que podem levar ao desgaste ou a lesões nessa articulação, como malformação e desgaste, tensão da musculatura e degeneração do disco articular. “Entre as causas musculares estão às ligadas ao bruxismo, que é o apertamento noturno dos dentes, e as questões psicossomáticas ligadas a dificuldade de dormir e alto nível de stress”, diz o especialista.

Profissionais

Cirurgião-dentistas, psicólogos, fonoaudiólogos, fisioterapeutas e reumatologistas são alguns dos profissionais que podem ajudar a corrigir esse distúrbio. Para os casos cirúrgicos, a artroscopia, um tratamento já bastante usado para cuidar de joelhos, é uma opção inovadora.

Essas micro-cirurgias, que usam uma câmera para investigar onde está o problema, precisam de somente um dia de internação e possuem um pós-operatório simples.

Fonte: saude.terra.com.br